Buscar
  • Equipa RTM ME

Amor Sem Limites!

Toda esta conversa de amor sem limites, tem como objetivo real, levar-nos a um momento na história da humanidade em que esse amor, foi demonstrado sem sombra de qualquer dúvida, sem limite. Estamos na à Páscoa, a festividade cristã, onde celebramos a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Mas muito mais do que uma data, muito mais do que uma celebração, muito mais que festa em família, o que aconteceu naquela colina do Calvário, fora da cidade de Jerusalém, é o quadro mais real do que falamos no nosso pograma "Amor Sem Limites". Um amor sem medida, tão profundo e tão grande que a nossa mente quase não abarca.


Conta-se que em tempos remotos, quando ainda não havia tecnologia moderna, capaz de medir a profundidade do mar, o grande explorador Nasen ficou muitos dias com o seu barco encalhado entre os blocos de gelo do Ártico. Então teve a ideia até curiosa, de medir a profundidade do oceano no lugar em que estava encalhado. Pediu aos marinheiros que juntassem todas as cordas possíveis e emendando umas às outras, fez uma só corda com um peso numa das pontas e lançou-a ao mar. Mas a corda não alcançou o fundo. Nasen recolheu-a, mediu o seu comprimento e anotou nos seus apontamentos:

“É mais profundo ainda!”

Numa segunda tentativa pegou em mais uns pedaços de corda e emendou-os à primeira. Agora, com a corda bem mais comprida, repetiu a operação, mas para sua surpresa, ela também não alcançou o fundo. Então, ao recolher a corda, mediu o seu comprimento e anotou de novo o seguinte:

“É mais profundo ainda!”

Repetiu a experiência pela terceira vez com cordas mais longas, mas dececionado, teve que recolhe-las e anotar o comprimento e pela terceira vez, escrever:

“É mais profundo ainda!”

Assim é o amor de Deus demonstrado na morte do Seu Filho Jesus Cristo.

Por mais que queiramos calcular ou medir esse amor, só nos resta escrever:

“É mais profundo ainda!”

É Um Amor Sem Limites.



Foi numa Sexta-feira, como qualquer outra, que foi escrita com sangue a maior história de amor e sacrifício – amor a si e a mim, a ponto de Alguém dar a Sua vida, numa cruz, para salvar-nos! Pare um pouco, pense e medite no que representava morrer numa cruz.

A crucifixão era usada pelos romanos para intimidar os seus inimigos e oponentes. Para puderem respirar, as vítimas tinham que se apoiar sobre os pés para levantar o corpo. A morte vinha por sufocação quando estavam cansados demais para erguer-se. Assim a morte era lenta, dolorosa e agonizante.


Lembre-se, que Ele poderia ter chamado uma legião de anjos para livrá-Lo de sofrer, mas Ele não o fez, por si e por mim.


· A Sua última oração foi por nós.

· O Seu último sofrimento foi por nós.


Sabemos que houve um momento em que Ele poderia ter virado as costas e abandonado tudo. Mas Ele não fez isso! Pois viu-nos lá da cruz, com um corpo doente e um coração combalido – necessitando de um Salvador!

Só podemos exclamar “que amor maravilhoso que não teve limites”. Oxalá fossemos atraídos por esse gesto de amor!

De facto, não precisamos falar mais do amor de Deus, pois a cruz do Calvário diz tudo. É um amor que não cabe em palavras, mas pode ser sentido em toda sua plenitude. E diante de tamanho sacrifício, de tão profundo amor, surge a pergunta:

E agora, que posso eu fazer? É uma pergunta incontornável. É um momento de grande seriedade. Em face desse imensurável amor demonstrado a nós indignos pecadores, devemos tomar três atitudes:

· Aceitar o amor que vem da cruz. Com um coração contrito e cheio de gratidão perguntar: “Que queres Senhor Jesus que eu faça?” Se não aceitar, a morte de Jesus foi em vão para si, assim como o é para muitas pessoas, porque não levaram a morte de Jesus a sério. Só se lembram dela na hora de um susto e sofrimento. Tem a morte de Jesus valor para si?

Jesus poderia ter morrido mil vezes na cruz do Calvário, mas se nós não morrermos para o passado, para os nossos pecados e para a velha natureza, tamanho sacrifício não faz efeito em nossa vida.


· Arrepender-se. Arrependimento é dar meia volta na vida, é mudar de rumo ou de atitude. Atraído por este grande amor, deve dar meia volta e iniciar uma nova caminhada de alegria e paz com Jesus. Diante dessa demonstração de amor, ninguém pode ficar parado.


· Confessar e abandonar os seus pecados. Não precisa mais carregar qualquer pecado ou sentimento de culpa – Jesus já tomou providências – o Seu sangue nos purifica do todo o pecado.


Querida amiga, junto à cruz ainda há um lugar para si e para mim. Deixe o grande amor de Jesus envolvê-la. Ele quer atraí-la com o Seu amor sem limites, um amor que está ao seu alcance também.



“Um pai ficou muito zangado com o seu filho, e nesse ímpeto de ira, expulsou-o de casa. O filho pegou na mochila e saiu. Com o passar dos dias e meses, o pai arrependeu-se e sentiu saudades do filho querido. Juntou alguns recursos e foi à sua procura.

A primeira informação que teve foi que ele trabalhava num acampamento de garimpeiros. O pai dirigiu-se rapidamente para lá, mas ao chegar, os garimpeiros informaram que realmente aquele jovem tinha estado alguns dias ali, mas passando uma caravana que ia para longe a fim de explorar ouro, ele teria ido com a caravana.

O pai, um tanto dececionado e triste, não desistiu, juntou mais alguns recursos e foi procurar a tal mina de ouro. Ao chegar lá, foi de tenda em tenda e não encontrou o filho. Informaram-no que o jovem tinha seguido para mais longe, para lugares desconhecidos. Quando o pai viu que todos os seus esforços de encontrar o filho se tinham desvanecido, teve uma ideia: Ao passar por uma encruzilhada onde havia uma enorme pedra, ele pensou: . Então, com letras grandes ele escreveu: “Vou deixar aqui um convite, talvez algum dia meu filho passe por aqui, leia a inscrição e saiba que eu o amo e que vim à sua procura”. Então, com letras grandes ele escreveu: (O nome do filho)

TEU PAI TE AMA! VOLTA PARA CASA!


Alguns dias depois, o filho cansado e saudoso do lar, passou por ali, leu aquela inscrição e pensou: “Se o meu pai veio até aqui à minha procura é porque ele realmente me ama”.

E imediatamente voltou para casa. Amiga, há mais de 2.000 anos alguém desceu do Seu trono e veio a este mundo distante, à sua procura e deixou gravado numa cruz, com letras de sangue, este convite:

“Filha, Jesus te ama, volta para casa!”


Nesta Páscoa, renda-se ao amor sem limite de Deus, revelado no sacrifício de Jesus na cruz. Volte para casa. Hoje mesmo.


Texto: Sarah Catarino (extraído do programa "Amor Sem Limites" - Especial Páscoa)




6 visualizações

+351 211 581 128

©2020 por RTM Mulheres de Esperança. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now